Pesquisa na UNESP demonstra redução de 20ºC com telhado verde

on

Você já deve ter ouvido dizer que os telhados verdes promovem uma série de benefícios econômicos e ambientais, mas já pensou o que eles podem fazer pelo SEU bem estar? Nesta semana destacamos os resultados da pesquisa realizada pelo agrônomo e paisagista Gustavo Carvalho, que apontou uma diferença de 20ºC com a aplicação de telhados verdes.

O trabalho teve como foco avaliar e comparar três protótipos com diferentes sistemas de telhados verdes comerciais cultivados com Callisia repens (popularmente conhecida como “dinheiro em penca”) à um quarto sistema sem o telhado verde (testemunha). Os sistemas foram montados dentro da Faculdade de Engenharia de Sorocaba (FACENS) e contou com o apoio do Instituto Cidade Jardim.

Durante os quatro meses analisados, pôde-se observar uma diferença de 20°C entre os sistemas de telhado verde e a testemunha, tendo suas temperaturas medidas dentro dos sistemas às 13 horas. A maior temperatura, de 55°C, foi medida no sistema testemunha, por volta do dia 15 de outubro de 2017, enquanto neste mesmo momento, nos sistemas com telhados verdes a temperatura era de 35°C.

Dentre os diferentes sistemas não foi observada grande diferença nas temperaturas medidas, mostrando que os três protótipos de telhado verde são eficientes”, afirmou Gustavo.

O trabalho fez parte de sua dissertação de mestrado, desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, intitulada “Avaliação de Sistemas de Telhados Verdes: Análise Térmica e Hídrica nos Diferentes Sistemas Cultivados com Callisia repens”. 

Seu trabalho também destaca outros benefícios do telhado verde, como a melhoria da qualidade ambiental em centros urbanos, a redução da poluição atmosférica, o aumento do conforto térmico em edificações, a atenuação de enchentes, o menor consumo de energia elétrica durante o dia e a possibilidade de utilizar o telhado verde para a produção de alimentos.

Quer saber mais informações? Confira na íntegra o artigo da Marina Caetano, aluna de pós-graduação em Ciências Ambientais UNESP-Sorocaba.

Deixe uma resposta